Património roubado em Alenquer

· AMIGOS
Autores

Património roubado em Alenquer

Arte sacra avaliada em 50 mil contos foi furtada da Capela da Nossa Senhora da Piedade em Casais Maçaricos.

A Capela da Nossa Senhora da Piedade, situada na Quinta da Saudade, em Casais Maçaricos, no concelho de Alenquer, foi recentemente alvo de um assalto de arte sacra avaliado em cerca de 50 mil contos. Entre os valores roubados, encontra-se um retábulo de madeira pintado a óleo do século XVI, três sacras, três quadros e duas gravuras.

Os assaltantes de origem desconhecida entraram na Capela da Nossa Senhora da Piedade através de arrombamento de uma porta pequena. A Polícia Judiciária e a GNR já tomaram conhecimento do furto e investigam agora quem serão os presumíveis autores do assalto milionário.

No Concelho de Alenquer este não foi o único assalto que se verificou nos últimos tempos, isto porque as localidades da Ota, Aldeia Gavinha e Alenquer também foram afectadas pela onda de furtos.

10-Patrimonio-roubado2Em Ota roubaram a parte superior do Marco da Mala-Posta, um dos seus mais significativos símbolos culturais. A Junta de Freguesia ficou perplexa com este acto e comunicou de imediato à GNR e a outras entidades competentes na matéria.

Segundo o vereador da Cultura e do Património, Luís Rema, já foi “mandada construir uma réplica da parte superior do Marco”, mas também referiu que “o Marco da Mala-Posta nunca mais vai ter o seu devido valor, porque aquela peça já tinha muitos anos”.

A Pia da Água Benta da Capela de São Sebastião na Aldeia Gavinha e um cão em pedra do Jardim do Parque Vaz Monteiro em Alenquer também foram roubados e neste momento não existem quaisquer indícios de serem encontrados.

10-Patrimonio-roubadoO busto de Jaime Augusto Ferreira, implantado na Praça de Camões, em frente ao edifício da Câmara Municipal também foi alvo de uma tentativa de roubo, mas esta não teve sucesso porque o busto estava muito bem fixo.

Luís Rema, Vereador da Cultura e do Património afirmou que “ainda não tem uma ideia concreta do valor que já foi roubado no Concelho de Alenquer”, apenas refere que “eram peças muito antigas e por isso valem muito dinheiro”, “mas nem todo o Património é da responsabilidade do Município”. Chegou mesmo a explicar que o “Património religioso não é da responsabilidade da Câmara Municipal, mas quem é responsável pelo Património de exposição pública é o Município Alenquerense.

Segundo um membro da Câmara Municipal de Alenquer, os presumíveis autores destes furtos pertencem “a uma rede nacional mas com tentáculos internacionais”. O Vereador do Património afirmou que a Câmara Municipal de Alenquer está a aplicar toda “a sua dedicação, preocupação e disponibilidade para ajudar a minorar os furtos no concelho”.



Paula-Pereira_100

©Paula Pereira (2000)
Jornalista
in Jornal D’Alenquer, 1 de Abril de 2000, p. 10

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s