Damião de Goes: Intervenção do Pe José Eduardo Martins

· AMIGOS
Autores

Sessão evocativa da memória de Damião de Goes

Intervenção do Pe José Eduardo Martins

A antologia é sobre Damião de Goes e terminamos com um capítulo que chamamos “Alenquer, a Terra onde eu nasci”, citando Damião de Goes, publicado em Évora em 1554.

Foi pedido que recorde Damião de Goes, neste dia de inauguração da sua estátua, a mim, ao professor Guapo, ao Fernando Silva e associamos depois o João Mário, neste mesmo trabalho. Claro que, não podíamos escrever nada do Damião de Goes no curto prazo que nos foi pedido.

Acabamos por fazer uma antologia dos textos possíveis para nós, dando-lhe uma espécie de sequência biográfica, que é aquilo que está apresentado neste texto. É uma sequência feita por extractos da vida, dos autores devidamente citados, com apresentação de algumas gravuras, referentes àquilo que está em causa, nomeadamente gravuras referentes ao Damião de Goes.

Há uma gravura referente a Erasmo, de quem Damião de Goes foi muito amigo, algumas fotografias antigas da Quinta do Barreiro, da Igreja da Várzea, todos os pontifícios da obra de Damião de Goes. Publicamos ainda um autógrafo do acerto de óbito de Damião de Goes, tal como ele veio publicado nos Inéditos Goesianos, de Guilherme João Carlos Henriques e achamos que devíamos terminar com uma brincadeira, se me permitem a palavra.

A antologia é sobre Damião de Goes e terminamos com um capítulo que chamamos “Alenquer, a Terra onde eu nasci”, citando Damião de Goes, publicado em Évora em 1554. Publicamos, em destaque, esse pequeno texto onde ele fala de Alenquer, são duas breves páginas, e a partir daí tivemos o atrevimento de incluir trabalhos nossos, meus, do Guapo e do Oliveira e pedir ao João Mário que nos ilustrasse todos estes monumentos de que falamos.

Falamos da Vila, propriamente dita, da Igreja de S. Francisco, da Igreja de S. Pedro, da Igreja de Triana, da Igreja da Misericórdia, da igreja do Espírito Santo, da Igreja de Stª. Catarina, do Padrão do Espírito Santo e terminamos depois da Igreja da Várzea, com um apontamento sobre o Castelo e a Torre da Couraça. Tudo isto termina com um desenho aguarelado do João Mário sobre o Arco dos Pinéus que por assim dizer, é que faz um ex-libris do civil, na Vila de Alenquer.

VER TAMBÉM
Sessão evocativa da memória de Damião de Goes
Intervenção do Eng. Francisco Goes, representante de Damião de Goes
Entrevista a… Amadeu Torres
A estátua de Damião de Goes
José Núncio, escultor da estátua de Damião de Goes
Entrevista a… Carlos Bernardino Leite, fundidor da estátua de Damião de Goes
Sr. Ministro da Cultura: por favor, demita-se




©José Eduardo Martins (2000)
Pároco em Alenquer
in Jornal D’Alenquer, 1 de Julho de 2000, p. 4

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s