Amadeu Torres, uma vida cheia de sabedoria

· JORNALISMO, Notícias Locais
Autores

Clérigo, Professor, Investigador, Poeta, Escritor, Conferencista, etc…
Amadeu Torres, uma vida cheia de sabedoria

“Alguns poemas em latim, normalmente são primeiro pensados em português, no esqueleto, mas quando começo a escrever já sai em latim. O primeiro que eu fiz, foi num congresso em Lovaine, em 1971. Gostaram muito, foi um poema em que eu saudei os convidados em latim”

(Amadeu Torres, in Entrevista ao Jornal D’Alenquer)

Amadeu Rodrigues Torres, nasceu em Vila de Punhe, Viana do Castelo, em 1924. Professor catedrático, poeta em vernáculo e em latim, escritor e linguista. Frequentou os seminários de Braga, sendo ordenado sacerdote em 1957.
Tem a licenciatura em Filosofia (Universidade Católica Portuguesa) e a licenciatura e o doutoramento em Filologia Clássica (Universidade Clássica de Lisboa). Fez o concurso para professor associado em 1985 e o de agregação para catedrático em 1988 na área da linguística.
Frequentou diversos cursos complementares: em 1970 e 1972, o de Pedagogia, Gramática e Linguística, e o de Língua e Literatura Francesa respetivamente, nos cursos de verão da Sorbonne e do Instituto Católico de Paris; em 1975 e 1976, os de Linguística e Computador, e Linguística e Informática, no CETEDOC da Universidade de Lovaina; em 1977, o de Estatística Linguística, na Universidade de Estrasburgo; em 1986, o de Linguística e Gramática, na Universidade de Lille III; em 1989, o de Introdução à Micro-lnformática, na Universidade do Minho e, em 1991/1992, o de Língua e Cultura Chinesas, na Universidade do Minho, de interesse especial para a Sintaxe e Semântica das línguas do ocidente europeu.
Exerceu os cargos de oficial da Secretaria Arquiepiscopal, de docente de Humanidades e de Filosofia no Colégio Missionário das Franciscanas Missionárias de Maria, nos Colégios Teresiano, no do Sagrado Coração de Maria e D. Diogo de Sousa, e ainda no Seminário Conciliar de Estudos Eclesiásticos, e Externato Liceal Bracara Augusta, do qual foi co-fundador. É capelão da igreja de Nossa Senhora da Penha de França e, atualmente, cónego da Sé de Braga.
Foi Comissário Científico da exposição “Damião de Góis: Humanista Português na Europa do Renascimento”, que esteve patente ao público de 25 de Julho a 31 de Outubro de 20002, em Lisboa. Foi Presidente do “Congresso Internacional Damião de Goes na Europa do Renascimento”, efetuado em Braga, nos dias 29, 30 e 31 de janeiro de 2003.
É professor catedrático da Universidade Católica Portuguesa (Faculdade de Filosofia de Braga), onde é responsável, desde há quase trinta anos, pelas cadeiras de Sintaxe e Semântica do Português e História da Língua Portuguesa, e professor catedrático convidado da Universidade do Minho onde já lecionou Fonética e Morfologia do Português e História da Língua Portuguesa, e regeu, desde 1978 até 1995, a cadeira de Sintaxe e Semântica do Português. Em ambas as universidades, no curso de mestrado, leciona a cadeira de Crítica Textual e Ecdótica, assim como noutras, inclusive a da Madeira.
É autor de muitas poesias dispersas por folhas literárias e outras publicações do género, onde chegou a usar quatro ou cinco pseudónimos diferentes, como Aires das Neves e Costa Lobo, mas o que ficou foi Castro Gil, sendo de assinalar a sua intensa colaboração com trabalhos universitários e literários reveladores de grande erudição e cultura, em revistas como: Revista Portuguesa de Filosofia, Theologica, Humanitas, Euphrosyne, Diacrítica, Biblos, Didaskalia, Arquivos do Centro Cultural Português (Paris), Confluência (Rio de Janeiro), Anais (Academia Portuguesa da História), Revista Portuguesa de Humanidades, Anais (Academia das Ciências de Lisboa), Revista Portuguesa de Educação, Nova Renascença, Itinerarium, Hermes Americanus (USA), Bracara Augusta, Cenáculo, etc.; e em jornais, entre eles Novidades, O Comércio do Porto, Diário do Minho, Correio do Minho, Notícias de Viana, A Aurora do Lima, A Voz, Época, Diário Ilustrado, etc.

Prémios e condecorações:

Prémio Nacional em poesia heróica nos jogos florais da Emissora Nacional, com o poema O Sonho de um Castelo (1948);
Prémio Laranjo Coelho da Academia das Ciências de Lisboa, concedido à sua tese de doutoramento (1984);
Prémio Calouste Gulbenkian da Academia Portuguesa da História, outorgado à sua edição da Gramática Filosófica da Língua Portuguesa (1996).
Cidadão de Mérito do Município de Viana do Castelo, por em 1997/1998 ser considerado um dos ilustres vianenses que honraram, prestigiaram e promoveram aquela cidade.

Instituições:
É membro das seguintes instituições: Société de Linguistique Romane, de Paris, desde 1978; Société de Linguistique de Paris, desde 1982; Associação Portuguesa de Linguística, de Lisboa, desde a sua criação em 1984 e da qual é sócio fundador; Centre Linguistique de Louvain, de Louvain – La Neuve, desde 1980; The Renaissance Society of America, de Nova lorque, desde 1981; Centre d’Études Supérieures de la Renaissance, de Tours, desde 1981; The Sixteenth Century Studies Conference, de Missouri, desde 1982; Associação Internacional de Camonistas, de Coimbra, desde 1980; Centro de Estudos Portugueses, da Universidade do Minho, desde 1980; International Society for the History, of Rhetoric, criada em Zurique em 1977, desde 1985; Association Guillaume Budé, de Paris, desde 1968; Association Internacionale des Études Neolatines, de Lovaina, desde 1971; Associação Portuguesa de Estudos Clássicos, de Coimbra, desde 1980; Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa, de Lisboa, desde 1985; Academia Portuguesa da História, de Lisboa, desde 1983; União Latina e Associação Internacional de Terminologia (Infoterm), de Paris, desde 1992 e Academia Latinitati Fovendae, de Roma, desde 1996.

Obras principais:
O Meu Caminho é Este (poesia), 1948; Sá Carneiro, Miguel Torga e José Régio: Três Atitudes Perante a Vida (ensaio), 1949; O Sonho de um Castelo (poema heróico), 1965; Antologia Literária (sécs. XVII, XVIII e XIX), 3 vols.,1965, 1968, 1969 (adoptada nos liceus de todo o território português de então); Conceito de apxn no Livro da Metafísica de Aristóteles (dissertação de licenciatura em Filosofia), 1971; Damião de Góis e o Ciceronianismo; Noese e Crise na Epistolografia Latina Goisiana, 2 vols., 1982; Carmen Fatímale (poema latino em oito línguas), 1982; Carmen Hemisaeculare (poema latino), 1986; Jubilaei Carmen (poema latino), 1993; Gramática Fílosófica da Língua Portuguesa de Bernardo de Lima e Melo Bacelar – 1783 (reprodução facsimilada da edição princeps, com introdução e notas críticas), 1996; Gramática e Linguística (ensaio e outros estudos), 1998.

 

in Jornal D’Alenquer, 1 de Abril de 2005, p. 16
©Hernâni de Lemos Figueiredo (2005)
director do Jornal D’Alenquer

 

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s