Vasco Miguel é o candidato social-democrata à Freguesia de Aldeia Gavinha

· Notícias Locais
Autores

“Lar de Dia para a Terceira Idade, é para já!…”

Vasco Miguel é o candidato social-democrata à Freguesia de Aldeia Gavinha

Na sua apresentação Vasco Miguel propõe 100 medidas para a Freguesia. Entre elas o combate ao analfabetismo, a formação profissional, a compra de um edifício para diversos eventos, o diálogo com os agentes económicos, um programa POLIS para a zona histórica da Aldeia Gavinha, a unificação da freguesia e, claro está, a construção de um Lar de Dia para a Terceira Idade; este para já.

ALENQUER – Autárquicas 2009
Vasco Miguel é candidato à Junta da Freguesia de Aldeia Gavinha

“Não nasci na Maternidade Alfredo da Costa: eu estou a dar esta entrevista ao Jornal D’Alenquer precisamente no largo onde nasci, onde fui parido; por isso tenho uma paixão acrescida pela minha terra e por toda a minha freguesia”. Foi com estas palavras que Vasco Miguel iniciou a apresentação ao nosso jornal da sua candidatura à Assembleia de Freguesia de Aldeia Gavinha. Inicialmente prevista para o largo frontal à casa-museu que perpetua o local de nascimento da enorme Palmira Bastos, no entanto foi a escadaria da velhinha Igreja de Santa Maria Madalena, em Aldeia Gavinha, que no fim de tarde de 28 de Julho de 2009 serviu de palco à sua apresentação como cabeça de cartaz da lista da Coligação Pela Nossa Terra; a dez metros duma edificação de dois pisos, bem conservada, onde nasceu, e com o “staff” social-democrata ali por perto à sua espera para prosseguirem a campanha porta-a-porta, o método preferido para este dia.

Vasco Miguel mostrou-se perfeitamente conhecedor dos problemas locais, que na sua opinião tornaram a sua aldeia “um sítio pobre e triste, a fazer lembrar a terra dos cowboys”. Entre outros problemas referiu “que os lugares da freguesia estão todos de costas voltadas uns para os outros”, “que a Junta de Freguesia não fala com os industriais nem com os comerciantes”. “Já perdemos o Agrupamento, também perdemos a Saúde, e agora vamos ficar sem a Escola. Qualquer dia a gente não tem nada aqui em Aldeia Gavinha; isto é um caos”.

Sem interrupção, o candidato social-democrata continuou com a sua argumentação: “Só estamos a 30 eleitores de passarmos a uma freguesia de segunda; e aí vamos perder um dinheirão no orçamento. Vamos desperdiçar uma potencialidade enorme de se fazerem obras. No entanto a Freguesia tem um orçamento superior a 70 mil euros, e com este dinheiro o Executivo em exercício tinha a obrigação de mostrar obra feita. Resguardar-se nas rotinas dos atestados e dos transportes, isso não chega. A junta de freguesia tem que servir para muito mais do que isso; a população disso necessita. E nas obras que são da responsabilidade da Câmara, há que pedir, há que ter a capacidade de “exigir”. Eu recordo-me que quando do último mandato em que estive como vereador, havia um presidente de freguesia, de Ventosa, que em todas as reuniões lá estava a pedir coisas; e as outras freguesias todas caladas. E depois admiraram-se dos acontecimentos serem como foram. Eu vou ser muito concreto, não vou estar calado, sem apresentar um pedido na câmara. Vão ser “marteladas na cabeça” de quem lá estiver; todos os dias. Exijo melhoramentos para a minha terra, com projectos concretos e com objectivos delineados”.

São 100 as medidas que Vasco Miguel tem para a Freguesia, construídas à volta duma espinha dorsal anunciada em quatro segmentos: “Vamos pensar num POLIS para desenvolver e arranjar todo o núcleo histórico de Aldeia Gavinha”; “A colaboração com os agentes económicos é essencial”; “O apoio aos jovens, à família e aos idosos é muito importante. Aqui, há uma coisa que eu posso já revelar: é um Lar de Dia para a Terceira Idade, que será feito logo na hora, isso não tenho qualquer dúvida”. “Melhorar os cuidados de saúde: havemos novamente de ter saúde na nossa freguesia”. Combater o analfabetismo, promover a formação profissional e adquirir, de imediato, um imóvel, situado em Aldeia Gavinha, para o desenvolvimento de diversas actividades, são outras propostas inseridas no programa global de Vasco Miguel.

Vasco Miguel afirmou que já tem a lista constituída; com muita juventude e que o executivo, pela primeira vez irá ter um elemento do Freixial e outro de Montegil. Diz conhecer as pessoas que vão consigo; que são pessoas capazes, jovens, que lhe vão dar mais alento e força para esta caminhada que ninguém julga fácil, mas em que todos acreditam e em que todos estão empenhados; que é um projecto sério, que vai dinamizar a cultura, o recreio, e que passa essencialmente pela mobilização das pessoas. “Temos um projecto aliciante que vai mobilizar toda a freguesia; porque eu quero unificar a freguesia”, enfatiza Vasco Miguel.

“Para unir esta freguesia há três ou quatro coisas que são essenciais e que terão que estar concretizadas até Junho de 2010. O sinal está dado, e se houver obstáculos, por parte da Câmara, de maneira a que os meus objectivos, que estão dentro da lógica institucional e legal, não avancem eu não vou continuar. Se tiver a maioria a Junta cairá e haverá novas eleições, onde as pessoas votarão em quem quiserem; se por acaso eu não tiver a maioria eu passarei para a oposição; mas uma oposição a sério”, prediz o candidato social-democrata.

“Eu não venho aqui para ficar agarrado ao poder; eu estou aqui a cumprir uma missão, e a política é isso mesmo. A política não é emprego, nem a freguesia é nenhuma quinta de ninguém, e muito menos o município. A minha perspectiva de política sempre foi assim em toda a minha vida: quando tenho projectos avanço, quando não tenho recuo. E participei sempre na política com este espírito de missão. E é com esse mesmo espírito de missão que eu aqui venho mais uma vez participar, agora na minha terra, com redobrada paixão”, concluiu Vasco Miguel.

Recorde-se que VASCO FRANCISCO AGUIAR MIGUEL no concelho de Alenquer é o político da área social-democrata com mais experiência pois já passou por quase todos os lugares políticos possíveis em processos eleitorais, tanto na Assembleia da Republica, onde foi deputado, como na estrutura regional (Distrital Oeste) onde, entre outros lugares também foi presidente da Comissão Politica, como igualmente desempenhou vários lugares na estrutura concelhia de Alenquer, para além de ser eleito vereador na Câmara de Alenquer, por mais de uma vez, na Assembleia Municipal e na Assembleia de Freguesia de Aldeia Galega da Merceana. Nas eleições autárquicas de 2005 aparecia em 15º lugar na lista da CPNT à freguesia que agora se candidata a liderar.

A generosidade de Vasco Miguel, que depois de ver a actual direcção política do PSD de Alenquer rejeitar uma sua candidatura interna para liderar o combate social-democrata à conquista da Câmara (saliente-se com pouca lisura, e muita deselegância à mistura), não soube dizer “não” a um pedido dessa mesma direcção política para uma luta onde muito tem a perder e nada tem a ganhar; e sem premissas ou outras mordomias pré-anunciadas. “A principal motivação desta minha candidatura é a de ajudar o Arq. Nuno Coelho na sua caminhada para a Câmara, e seria hipócrita se dissesse que vinha aqui somente para defender o projecto político que tenho para a minha freguesia”. É assim Vasco Miguel, uma reserva moral do ex-PPD/PSD de Francisco Sá Carneiro, um dos poucos ícones da social-democracia ainda existentes no concelho de Alenquer.

Nuno Coelho, candidato da Coligação Pela Nossa Terra à Câmara de Alenquer espera o melhor resultado possível desta candidatura de Vasco Miguel. “E o melhor resultado possível é ganhar, pois pelo que estamos a sentir na apresentação da sua candidatura, a receptividade tem sido muito boa”, afirmou ao Jornal D’Alenquer. O candidato da coligação que espera “ganhar a Câmara com maioria absoluta” sustenta que as candidaturas de todos os candidatos da Coligação irão beneficiar a sua candidatura à Câmara, assim como a sua própria candidatura à câmara igualmente irá beneficiar as candidaturas às Assembleias de Freguesia. “Porque os programas estão articulados, porque as propostas são conjuntas; portanto, nesse sentido estamos com uma articulação total”, sintetiza. “A presença dos candidatos tem sido permanente no terreno, e isso é o garante de que pelo menos as propostas e o programa vão ao encontro do que é pretendido e do que é necessário para o desenvolvimento da terra. E com certeza que o sucesso está garantido”, concluiu Nuno Coelho.



Hernâni de Lemos Figueiredo


in Jornal D’Alenquer, 28 de Julho de 2009, on line
©Hernâni de Lemos Figueiredo (2009)
director do Jornal D’Alenquer

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s